“O ‘Titanic’ Hidalgo chama na Aubervilliers”

Um excerto do artigo “Médiapart”, acessível i

Os lenços vermelhos Mitterrandian saem este sábado, 22 de Janeiro, nas docas de Aubervilliers (Seine-Saint-Denis). Anne Hidalgo encontra-se com os seus apoiantes para o seu primeiro comício desde a apresentação do seu programa – o elemento que deverá, após a sua hesitação na participação na Primária Popular no início de Dezembro, relançar a sua campanha. Foi uma causa perdida. A sala, que pode acolher 3.500 pessoas, está longe de estar cheia. Algumas cadeiras permanecerão irremediavelmente vazias. Cerca de 1.000 pessoas, saudadas por um folheto pedindo doações para a causa, assistiram à alta massa socialista: um sinal de uma campanha crepuscular, mais ectoplásmica do que nunca. Em Seine-Saint-Denis, mesmo à saída de Paris, na estação de metro Front Populaire, Anne Hidalgo estava quase a tocar em casa. E provavelmente estava à procura de um símbolo completamente diferente. Ela procurava um símbolo diferente, o de um candidato que ia conquistar as classes trabalhadoras, num território atormentado pela pobreza e discriminação, e onde a esquerda deixou muitas desilusões. Stéphane Troussel, presidente socialista do departamento, e um dos muitos porta-vozes do candidato, concorda: “Quando se faz a Lei do Trabalho e se propõe a perda da nacionalidade, ela não mobiliza os eleitores de esquerda ligados às questões sociais. É por isso que o Partido Socialista fez um inventário. Ele conta com as propostas de Anne Hidalgo sobre salários (um aumento de 15% do salário mínimo) e serviços públicos para convencer. Uma coisa é certa: “Não há vitória possível para a esquerda sem os bairros da classe trabalhadora”, insiste ele.

0 0 votes
Évaluation de l'article
S’abonner
Notification pour
guest
0 Commentaires
Commentaires en ligne
Afficher tous les commentaires