Racismo social ? Uma apresentação para falantes de português

Porquê falar de racismo social ? Quando se lê textos que tratam do problema do racismo, a noção de “raça”, existe um estranho pressuposto: de repente, aparece no céu eléctrico europeu, como se saísse do chapéu de um génio maligno e maligno. Má sorte, está amaldiçoado há décadas com esta má dicção, esta palavra que tornará possível o inferno. Isto é o que acontece quando se olha para as coisas à distância, sem ter em conta o contexto, as condições materiais, os processos a longo prazo. Mas precisamente quando fazemos isto sobre o racismo e a raça, descobrimos que existem tais condições, que existe uma matriz histórica de racismo: racismo social, do qual o racismo foi uma transformação, uma modificação. O que é o racismo? É uma doutrina, muitas vezes ligada a comportamentos, a práticas, pela qual há uma afirmação de diferenças objectivas entre os seres humanos, que justificam que uns sejam favorecidos e outros desfavorecidos. Existe racismo suave (não letal), e também conhecemos o racismo radicalizado, que é extremamente letal. Mas esta diferenciação entre indivíduos ligados a desigualdades de facto existia antes do racismo, com o racismo social: ali, as pessoas que eram afectadas por este racismo não tinham uma cor de pele diferente, não pertenciam a uma comunidade diferente, mas eram os pobres de um sistema económico que tinha organizado a extrema riqueza de uns e a extrema pobreza de outros. Foi isto que aconteceu com o que se tornou a nobreza europeia, quando o Império Romano morreu, e a Igreja Católica assumiu o controlo e a organização dos países europeus sob o seu domínio. Sob a influência destas teologias e doutrinas, explicou à nova nobreza europeia, que tinha emergido das invasões bárbaras, que elas estavam ligadas a Deus, e que, através desta ligação, eram de natureza diferente dos outros seres humanos. E este seria o seu discurso nos primeiros séculos após o ano 1000: somos de uma extracção superior. Ela manteria este discurso através da colonização depois de 1492, e até pediu a dois teólogos que conduzissem uma controvérsia em Valladolid sobre se os habitantes do Novo Mundo eram de facto humanos ou algo mais e menos do que humanos – uma pergunta que em tempos antigos ninguém poderia ter feito. Mas com o passar do tempo, as populações que sofreram exploração, desigualdade e racismo tornaram-se cada vez mais numerosas, activas e ligadas, e ameaçadas de se unirem contra os senhores. Este discurso do racismo social tornou-se cada vez menos aceitável, tolerável, dentro das nações onde era praticado em alta intensidade, porque se tornou demasiado perigoso. Assim, os intelectuais europeus organizaram um desvio com o racismo: a transformação/mutação do racismo social em racismo para dizer aos brancos pobres que, dos brancos ricos para os brancos pobres, “nós” somos todos irmãos, mas, por outro lado, os outros, os negros, isto, aquilo, aquilo, são diferentes de nós e inferiores a nós, incluindo vós. O racismo tem sido a forma venenosa de bloquear um processo político revolucionário, e continua até hoje. Desde então, o racismo social ainda tem sido praticado, e no nosso tempo cada vez mais, e o racismo, e o racismo social, são frequentemente associados pelo mesmo – por exemplo, quando vemos em Portugal um Ventura/Chega dirigido à população cigana, que sabemos pelo conhecimento oficial estar entre os mais pobres de Portugal. A mesma coisa existe em França, e em proporções mais fortes e mais sérias. Uma palavra que diz a essência do que é o racismo social, é “pauvrophobie” – “pobre-fobia”.  É sobre isto que trata este livro, actualmente em preparação para uma nova versão https://www.amazon.fr/Du-Racisme-Social-Europe-extension/dp/1982085533

0 0 votes
Évaluation de l'article
S’abonner
Notification pour
guest
0 Commentaires
Commentaires en ligne
Afficher tous les commentaires